— Foto: Reuters/Florence Lo

Ainda para um público seleto, no caso somente quem tem iPhone, mas cobiçado por muitos, Clubhouse é a nova sensação das redes sociais e um dos assuntos que mais movimentaram a internet nesse começo de ano. 

Na contramão de Facebook, Instagram e outras plataformas que priorizam os vídeos, Clubhouse é um aplicativo baseado em áudio e por enquanto apenas para convidados. 

Como só tem áudios, a interação dentro da rede social se assemelha a ouvir um podcast ao vivo, ou uma ligação telefônica. Rapidamente o Clubhouse se tornou o queridinho entre os famosos como o rapper americano Drake, Elon Musk (Tesla), Mark Zuckerberg (Facebook), entre outros. 

Apesar de estar sendo anunciado como uma novidade, o app foi lançado em 2020 pelo engenheiro Paul Davison em parceria com o ex-funcionário do Google, Rohan Seth. A proposta inicial era ser uma alternativa diferenciada ao que já existe no mercado. 


Veja também:


Em vez de um feed com textos e fotos, a rede social usa a voz. Dentro do app, há vários grupos de bate-papo, que são divididos por temas, onde os usuários podem entrar para conversar ou ouvir determinada pessoa. As conversas não são armazenadas ou gravadas pela plataforma.

Aqui está a essência: imagine que você tem um aplicativo em seu telefone que permite ouvir conversas ao vivo de outras pessoas. Mas não de uma forma assustadora: essas pessoas querem ser ouvidas. 

Eles podem até ser famosos, ou pelo menos interessantes ou bem informados (nenhuma garantia, no entanto). E você pode ter a oportunidade de entrar no chat. Pense nisso como uma rede social de bate-papo com áudio.

Ultrapassando o Tik Tok nas buscas

Cerca de 2 milhões de usuários já estão no Clubhouse, tendo desbancado no Brasil o Tik Tok, em relação às buscas do Google segundo a plataforma Conversion. As buscas pelo aplicativo saltaram 100 vezes nos últimos seis meses no Brasil e 11 vezes ao redor do mundo. 

Para se ter uma ideia, em dezembro do ano passado a plataforma foi avaliada em quase US$100 milhões. Em 21 de janeiro de 2021, a avaliação atingiu US$1 bilhão.

Os especialistas em tecnologia afirmam que o Clubhouse é o maior fenômeno dos últimos tempos e atraiu usuários pela sua estratégia de começar pelos perfis mais influentes da Internet e gerar escassez, já que só é possível entrar através de convites e o aplicativo só está disponível para iPhones.

Como faço para entrar?

Você precisará do convite de um usuário que já faz parte da rede social para obter acesso. Cada novo usuário recebe dois convites e ganha mais ao usar o aplicativo. 

E por ser algo tão exclusivo, já tem gente vendendo convites. Diversos anúncios estavam disponíveis no site de venda online Mercado Livre, com preços que em torno de R$ 150. Não era visível nenhum testemunho de compras bem-sucedidas no perfil dos vendedores.

Já um site especializado em vender seguidores para redes sociais, como Instagram, para aumentar a base artificialmente de um perfil, os mesmos convites do Clubhouse também eram vendidos, mas por um valor mais alto, em torno de R$ 250.

Até no Twitter, o movimento de vendas também era perceptível. Um usuário afirmava abertamente que tinha convites para vender, e diversas pessoas abordavam seu perfil nos comentários em busca de mais informações.

Por que ainda não está no Android?

Um aplicativo Android está sendo desenvolvido. Mas os criadores do Clubhouse querem crescer lentamente como parte da estratégia, e como se sabe, há mais usuários de Android do que iPhone no mundo todo. 

Começar no Android poderia sobrecarregar e trazer problemas aos servidores do Clubhouse depois de uma isca publicitária (como aconteceu de ter Elon Musk em uma sala). 

*Audio do Clubhouse foi gravado e postado no youtube. Confira (em inglês) como foi a participação de Elon Musk:

Então, tudo que preciso é o aplicativo? Não tem site?

O único site da empresa é joinclubhouse.com e isso é simplesmente uma indicação para a Apple App Store. 

Como funciona o registro de usuário?

Você deve fornecer ao Clubhouse seu número de telefone e seu nome verdadeiro (em teoria). Pode registrar o nome de usuário que deseja para o serviço antes mesmo de receber um convite. 

A pessoa que está convidando você simplesmente precisa do seu número de telefone. Você receberá um link por mensagem de texto, informando-o para visitar joinclubhouse.com/app e fazer login com esse número.

Vincule sua conta do Twitter ao Clubhouse se não quiser criar um perfil do zero; ele até puxará sua foto de perfil existente. 

O Clubhouse também o incentiva a vincular seus contatos, a fim de tornar mais fácil encontrar pessoas para seguir. Mas não se preocupe se você não tiver uma lista de contatos cheia de influenciadores. 

Depois de fazer login, você pode verificar um endereço de email com o serviço para tê-lo como um método para reconectar se houver um problema.

O que tem no Clubhouse?

Quando você finalmente consegue acesso, o aplicativo oferece uma página cheia de tópicos de conversação a serem seguidos, de esportes a tecnologia, assuntos mundiais, fé e “agito” e assim por diante. 

Em cada um, você encontrará pessoas interessadas na mesma coisa e poderá segui-las. Quanto mais tópicos e pessoas você seguir, maior será a probabilidade de obter sugestões de uma sala que atenda aos seus desejos. 

As conversas não são permanentes?

As salas de conversação vêm e vão conforme as pessoas as iniciam ou encerram. E nada é registrado pelo Clubhouse. Mas isso não significa que outros membros não encontrarão maneiras de gravar chats. A internet ainda é para sempre.

Quantas pessoas podem estar em uma conversa?

O limite atual é de 5 mil pessoas por sala do Clubhouse – que Musk quebrou, é claro. Os usuários daquela sala começaram a transmitir a conversa ao vivo no YouTube, o que é uma alternativa inteligente para ampliar o alcance.

O que você realmente quer dizer com conversa? Não é como um podcast?

Depende de suas preferências de podcast, mas lembre-se: todas as pessoas envolvidas estão falando em seus iPhones. Eles não se veem, então é como ouvir uma ligação telefônica. 

Não há edição profissional, sem efeitos sonoros, sem transições e sem publicidade (pelo menos não oficialmente). Dito isso, o “estilo” da conversa é flexível: uma sala pode ser casual entre amigos, enquanto a outra é uma entrevista mais formal no estilo de um talk show, um grande grupo de discussão ou mesmo uma música sessão de compartilhamento. 

Se alguém interessante entrar em uma sala – como um bilionário – o criador / moderador da sala pode colocá-lo no “palco” como um palestrante. Muitos usuários já reconhecem a rede social como um grande evento online por áudio em várias salas, que nunca acaba. 

Então eu só posso ouvir?

Não necessariamente. Qualquer pessoa que estiver ouvindo pode virtualmente “levantar a mão”. Cabe ao criador / moderador da sala se eles querem deixar você falar. 

As salas são divididas por assuntos e qualquer usuário pode mandar mensagem ou apenas escutar a discussão das demais pessoas. Em alguns casos, a moderação pode exigir que seja necessário pedir a palavra antes de postar um comentário ou uma opinião.

Os áudios podem ser compartilhados também diretamente no perfil dos usuários, mas não podem ser baixados ou encaminhados para outras pessoas.

Parece com o Zoom sem vídeo

De alguma forma… ou você sempre pode fazer um Zoom ou Google Meet sem o vídeo ligado. Mas o Clubhouse não é realmente isso, já que as conversas estão abertas a qualquer membro que possa encontrá-lo, e não para alguns selecionados. 

O palco virtual é limitado, o que se espera que a palavra fique com as pessoas que tem realmente algo importante ou interessante para dizer. Além disso, não ter que olhar para a tela enquanto você fala é uma boa mudança em relação às videochamadas diárias de hoje. 

Segundo a business insider até agora, a maioria das salas Clubhouse tem uma vibe TED Talk, com um convidado falando e todos os outros ouvindo. Outros usuários podem entrar na conversa quando considerado apropriado por um moderador, mas dependendo do chat, isso pode ser raro.

Sempre há dezenas de conversas acontecendo ao mesmo tempo, permitindo que os usuários alternem entre assuntos e palestrantes com base em seus interesses.

Quais são as desvantagens?

O Clubhouse já teve alguns problemas com discurso de ódio e abuso, então foi preciso instituir diretrizes de moderação da comunidade em outubro. Tudo por que cometeram um erro comum: confiar que os usuários não seriam idiotas. Sempre há idiotas. 

Alguns jornalistas participantes das salas, especialmente mulheres, falaram sobre serem alvos de intimidação e assédio de outras pessoas na plataforma. Outros testemunharam salas abordando anti-semitismo, racismo e negação do COVID-19.

O Clubhouse já contratou moderadores, e o CEO Davidson disse que “Qualquer rede social precisa fazer da moderação uma prioridade.” No entanto, ele também enfatizou que deseja que a plataforma centralize a liberdade de expressão e o diálogo.

Conclusão

Embora o Clubhouse já tenha construído uma sólida reputação, está de olho no futuro. 

Além de se preparar para o desafio de lançar o app para Android, o que exigirá investimento em infraestrutura, há planos para permitir que os usuários monetizem (ganhem dinheiro por meio do aplicativo) com assinaturas, realização de eventos e recebimento de dicas. 

E à medida que mais pessoas são convidadas, o buzz com certeza crescerá.

E você, já está usando a nova rede social? Se ainda não, qual sua expectativa?  

Veja algumas telas:

Tela que aparece quando alguém baixa o aplicativo e não tem um convite. 

tópicos no Clubhouse
Categorias e algumas salas que aparecem no app do Clubhouse.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.