Há quem diga que os negócios (e o marketing em particular) se parecem muito com uma guerra. Só que nesse terreno as batalhas são menos mortais e um pouco mais refinadas!

O termo marketing de guerrilha enfatiza essa abordagem e nos lembra que uma boa estratégia combativa se inspira em táticas de guerra como surpresa, velocidade, agressão, mobilidade e uma abordagem fora do comum para atingir um objetivo e é claro: derrotar o inimigo, nesse caso a concorrência.


Veja também:


Mas o que é marketing de guerrilha?

Também conhecido como propaganda de guerrilha, surgiu em 1984 quando Jay Conrad Levinson, na época o diretor de criação da agência de publicidade Leo Burnett, publicou um livro intitulado “Guerrilla Marketing”.

Seu pensamento era que o marketing de guerrilha seria especialmente benéfico para as pequenas empresas, por isso deu a seu livro o título secundário “Estratégias fáceis e baratas para obter grandes lucros com sua pequena empresa”.

Adequado para grandes e pequenos orçamentos

Com seu efeito multiplicador de força econômico e de baixo custo, as ideias de marketing de guerrilha têm benefícios definitivos para start-ups e pequenas empresas, bem como para empresas de médio porte, que lutam para manter o marketing e a publicidade tradicionais, muitas vezes caros. 

Por esse motivo, também é popular entre organizações sem fins lucrativos sem dinheiro que procuram maneiras diretas de aproveitar a carteira do consumidor sem ter que recorrer a campanhas publicitárias mirabolantes.

Hoje, sabemos que as grandes corporações também podem realizar uma excelente campanha de marketing de guerrilha. Entre aqueles que posso citar como expoentes de grande orçamento da propaganda de guerrilha estão: Coca-Cola, Burger King e Red Bull, entre outros. 

Características do marketing de guerrilha

Por causa de sua complexidade, é difícil definir o termo marketing de guerrilha. No entanto, você pode reconhecer uma campanha de marketing de guerrilha quando vê uma. Tudo o que você precisa fazer é procurar determinados recursos.

Elemento surpresa: Esse tipo de marketing oferece interações incomuns com clientes em potencial. Frequentemente, o marketing de guerrilha tenta surpreender ou chocar o público.

Custo-efetividade: A maioria das campanhas de marketing de guerrilha tem orçamentos baixos, mas geram ótimos resultados. Essa característica faz com que o marketing de guerrilha se assemelhe ao growth hacking.

Interatividade: O marketing de guerrilha depende de emoções e experiências e estimula o público-alvo a participar de uma campanha.

Usado em B2C: As emoções são um grande impulsionador de vendas para o consumidor comum. No B2B (empresas), as decisões são tomadas de forma mais cuidadosa e completa, o que torna o marketing de guerrilha menos aplicável neste setor.

Provocatividade: Como o marketing de guerrilha depende da interação emocional, as campanhas costumam ser provocativas e arriscadas.

Os benefícios do marketing de guerrilha

Agora que você já sabe que o marketing de guerrilha é uma forma econômica e eficiente de promover um negócio, vamos examinar as outras vantagens dessa abordagem:

Maior conhecimento da marca 

O marketing de guerrilha tem a ver com criar assunto em torno de uma empresa. Campanhas provocativas e não convencionais são o combustível perfeito para construir o conhecimento da marca.

Destacando-se dos concorrentes

Ações de marketing de guerrilha ousadas e memoráveis ​​funcionam tão bem quanto uma proposta de valor exclusiva em termos de diferenciar sua empresa da concorrência.

Conexão emocional com uma marca

Como o marketing de guerrilha é bom para provocar emoções, uma única campanha pode criar uma forte conexão entre uma marca e um cliente. Essa conexão é o ponto chave de todos os relacionamentos fortes e duradouros com os compradores.

Construindo parcerias

A maioria das campanhas de marketing de guerrilha são empreendimentos complexos, que requerem colaboração entre várias empresas ou organizações. Portanto, o marketing de guerrilha pode ser a base perfeita para a criação de parcerias.

Componentes do marketing de guerrilha

Para ser eficaz, uma campanha de marketing de guerrilha deve:

  • Concentrar-se no seu mercado-alvo – Não tente servir a todos. Visar um segmento de mercado é muito mais eficaz porque é mais fácil de alcançar, que vai custar menos, e porque pode falar diretamente às suas necessidades e desejos particulares. Portanto, em vez de tentar vender para os atletas, concentre-se nos corredores de maratona ou de rua. 
  • Enfatize os benefícios – a maioria das empresas concentra-se nos recursos de um produto ou serviço, mas os benefícios são o motivo pelo qual as pessoas realmente compram. Portanto, em vez de falar sobre como o couro de um sapato é macio, fale sobre como ele reduz as bolhas. Ou, em vez de como um carro é leve, que tal divulgar a quantidade de dinheiro que os motoristas economizarão em gasolina como resultado.
  • Dê aos clientes o que eles desejam – Como seu produto ou serviço é melhor do que o que já está no mercado? Ele atende a uma necessidade não alcançada? O que isso faz, exatamente? Ser claro sobre o que sua oferta faz ajuda os clientes em potencial a entender por que devem comprá-la.
  • Gere lucros elevados – os marqueteiros de guerrilha monitoram os lucros mais do que as vendas ou receitas. O objetivo é conseguir um cliente vitalício que compre regularmente e esteja disposto a gastar quantias cada vez maiores com você.

Confira alguns formatos populares de marketing de guerrilha e como aplicar no seu negócio:

Marketing de emboscada

O marketing de emboscada ou ambush marketing pode ser entendido como um conjunto de ações publicitárias paralelas, de caráter direto ou indireto, a um evento feitas por marcas não-patrocinadoras.

Trata-se de pegar carona na visibilidade, na movimentação e no interesse de consumo gerado por grandes eventos mesmo sem patrociná-los.

A ideia é induzir o público a acreditar que seus produtos, serviços, marcas e conteúdos são aprovados ou associados à organização oficial do evento em questão.

Ex: A Nike e seu tênis de ouro nas Olimpíadas de 1996

Nas olimpíadas de Atlanta, em 1996, o velocista norte-americano Michael Johnson se destacou por quebrar dois recordes mundiais ao vencer as provas dos 200m e 400m rasos.

A emboscada aí está no fato de que ele calçava os chamativos tênis dourados da Nike, sendo que a patrocinadora oficial do evento esportivo era a Reebok.

Para aumentar ainda mais a visibilidade da Nike e diminuir a das concorrentes, Johnson foi capa da revista Times com os tênis pendurados no pescoço juntamente com suas duas medalhas de ouro.

Além do mais, o fato de Michael Johnson ter se destacado ao correr em seu país natal (EUA) foi ainda melhor para a Nike, que foi bem oportunista.

Marketing Secreto

Também conhecido como marketing invisível, é uma abordagem usada para atrair o interesse dos clientes sem conscientizar os consumidores de que estão sendo submetidos a uma abordagem de marketing. 

Esse processo depende muito do básico do marketing viral, uma estratégia que envolve a divulgação de um bem ou serviço de uma pessoa para outra. Frequentemente, a abordagem é bastante discreta, não parece ter um envolvimento direto com quem divulga o produto e pode até incluir a distribuição de amostras grátis para os clientes-alvo.

Existem muitos exemplos de marketing secreto em uso hoje. Uma abordagem comum é contratar os serviços de uma personalidade pública respeitada, como um influenciador digital do Instagram com milhares ou milhões de seguidores. 

O executor da estratégia é então visto pelo público em geral usando os bens ou serviços produzidos pela empresa, mas sem promover a venda diretamente. O influenciador pode se oferecer para compartilhar o produto com outras pessoas em seus perfis ou de negócios, e até oferecer testemunho dos benefícios derivados do uso do produto. 

Essa abordagem geralmente funciona com base no relacionamento que já existe entre o influenciador ou artista e os consumidores interessados. Dessa forma, o marketing secreto mostrou uma capacidade bastante consistente de produzir vendas ao longo do tempo.

Marketing Ambiental

Aqui é preciso destacar: não confundir com marketing verde. Lembre-se que estamos falando de estratégias de guerrilha. O termo “ambiental” deve ser entendido como ambiente externo e significa colocar uma mensagem ou imagem envolvente em um lugar inesperado. Consequentemente, o marketing ambiental ocorre totalmente offline.

No entanto, esse tipo de marketing de guerrilha não se resume a colocar um anúncio em algum lugar inesperado. A mensagem em si deve ser chocante, surpreendente e criativa. A marca de moda, Louis Vuitton, criou um case perfeito de marketing ambiental. Ele colocou uma instalação gigante de uma mala na Praça Vermelha.

Envolve o uso criativo de um elemento externo para transmitir uma mensagem promocional. Por exemplo, usando: escadas; elevadores; pavimentos; estradas; banheiros; praças públicas, etc. 

Marketing Experiencial

O objetivo do marketing experiencial é criar uma situação em que o público-alvo entre em uma situação memorável e se conecte com algo que simbolize sua marca. As campanhas de marketing experiencial visam construir um vínculo estreito entre sua empresa e seus clientes em potencial.

A tática mais óbvia é realizar ou patrocinar um evento, como uma convenção, feira e até eventos on-line. No entanto, você pode empregar uma abordagem mais criativa, como a série de desenhos animados de Rick e Morty. 

Os criadores do programa enviaram um carro com a forma de Rick pelas cidades dos Estados Unidos. Eles também organizaram suporte de mídia social para a campanha. A ação se tornou viral. As pessoas seguiram o veículo por todo o país para tirar uma foto com ele e comprar mercadorias.

Conclusão

O marketing de guerrilha funciona melhor quando associado a outras estratégias. Você pode usar com campanhas de email marketing, landing pages com iscas digitais para captura de leads, campanhas por whatsapp, Reels do Instagram, Tik Tok, etc. 

É um formato de marketing que não só requer muita criatividade, mas também um plano de ação. Por isso conheça seu público, estabeleça metas, analise seu ambiente, execute seu plano e por último, mas não menos importante: meça os resultados!

Dado o crescimento contínuo das plataformas sociais onde as marcas se conectem diretamente com os consumidores e a expectativa cada vez maior de que o público seja surpreendido, encantado e entretido com produtos e serviços, o marketing de guerrilha continuará a florescer em 2021. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.