Quando alguém se apresenta como copywriter, a próxima pergunta que se segue é quase com certeza: “O que você faz?”

Muitas pessoas presumem que ser um copywriter é o mesmo que ser um repórter ou jornalista. Ou que envolve direitos autorais, o “copyright” (em inglês). 

Nada disso é verdade. 

Então, o que é copywriting?

É a arte de escrever textos para promover um negócio, pessoa, serviço, produto ou ideia. Um copywriter escreve conteúdo com a intenção de persuadir o leitor a realizar uma ação específica.

O leitor pode agir ligando, optando ou comprando produtos ou serviços de uma marca.

Copywriting envolve trabalhar em diferentes tipos de conteúdo. Tudo, desde descrições de vídeos do YouTube e páginas de produtos até textos em outdoors, está sob o escopo dessa área do marketing.

Um bom copywriting é o que motiva um leitor a comprar um produto, ingressar na comunidade de sua marca ou inscrever-se para uma oferta. Obviamente, o objetivo final é persuadir o leitor a comprar seu produto. 

Pode transmitir os valores e a identidade da sua marca com clareza, ao mesmo tempo que estabelece uma conexão com o seu público-alvo.


Veja também:


Qual é a diferença entre copywriting e criação de conteúdo?

Criação de conteúdo e copywriting são confundidos com frequência. Mas há uma diferença entre os dois: o propósito da escrita.

A criação de conteúdo envolve ações em campanhas de marketing, com a intenção de construir relacionamentos e engajamento com os consumidores. Foi escrito na esperança de que o público, com o tempo, confie em sua marca e, eventualmente, converta ou se torne clientes recorrentes.

O objetivo de escrever postagens em blogs, postagens em mídias sociais, white papers e outros materiais é educar, informar e entreter os consumidores.

O copywriting, por outro lado, leva o cliente em potencial a agir. Você o escreve para vender uma ideia, produto ou serviço e está intimamente relacionado ao branding.

Embora haja uma distinção entre elas, essas duas estratégias são complementares. Você precisa de copywriting e redação de conteúdo para fazer as pessoas lerem e agirem.

Se você se concentra em vender seus produtos, pode ser desanimador para o seu público. Com um bom conteúdo, você pode promover seus produtos de maneira sutil.

Seguem algumas dicas para criar um bom “copy” como se abreviou entre os profissionais de marketing para você aplicar, testar e entender a grande importância de investir em copywriting para vendas:

Conheça o seu público

A pesquisa está no centro de um bom copy. Antes de começar a escrever, você precisa investir algum tempo para entender seu público-alvo. Quanto mais informações você tiver sobre eles, mais fácil será entender suas personas de cliente.

Depois de entender suas necessidades, preferências e pontos fracos, você pode descobrir como escrever seu conteúdo. Para ser persuasivo em sua cópia, você precisa saber tudo o que há para saber sobre o consumidor-alvo.

A próxima etapa é relacionar seus pontos fracos com os valores de sua marca. Mapeie as principais “dores” que afetam sua persona. Você precisa explicar como seus produtos podem resolver seus problemas.

Coloque-se no lugar do cliente

O que seus clientes procuram ao comprar um produto? Você precisa ser capaz de responder a essa pergunta para escrever um conteúdo atraente.

Seja empático e coloque-se no lugar do cliente. Isso o ajudará a se relacionar melhor com o consumidor se você puder entender seus problemas.

Seja envolvente e resolva os problemas do público-alvo com o seu conteúdo. Isso significa usar o tom e as palavras certas. O truque é escrever como se estivesse se dirigindo a uma pessoa e seus problemas.

Esse processo de escrita pode ajudá-lo a permanecer amigável e atender aos desejos e necessidades do consumidor. Como você está se dirigindo aos leitores em um tom pessoal e amigável, eles provavelmente acharão o conteúdo mais identificável.

Escreva títulos atraentes

Antes de alguém clicar em um artigo ou vídeo, o principal olhar se volta para o título. Se for envolvente, eles podem querer verificar o resto do seu conteúdo. Portanto, é importante escrever algo que seja cativante, inteligente e que agregue valor.

Manchetes atraentes são necessárias para prender os leitores. Chamar a atenção através de títulos é uma arte que copywriters precisam dominar. Quer estejam trabalhando em conteúdos para email, sites, catálogos ou anúncios, eles precisam escrever títulos que sejam poderosos.

Então, como você pode escrever manchetes envolventes? Aqui estão algumas dicas para ajudá-lo:

  • Use números ou estatísticas para uma melhor classificação. 
  • Faça uma pergunta que possa incomodar seu público-alvo. E mostre a eles como você pode resolver o problema deles. 
  • Crie mistério e expectativa com seu título. Faça uma revelação chocante. Ou diga a seus leitores que há algo emocionante que eles podem esperar. Mas não revele tudo. Desperte a curiosidade divulgando apenas algumas informações e deixe seus leitores querendo saber a história toda.

Destaque seu argumento de venda exclusivo

Os clientes de hoje têm muitas opções para escolher, então eles precisam entender o que torna uma marca diferente da outra. Eles precisam saber por que devem comprar seus produtos em vez dos produtos de seus concorrentes.

Seu ponto de venda exclusivo diferencia sua marca ou produto do restante da concorrência. Isso lhe dá uma vantagem competitiva. O seu copy deve refletir isso.

Para definir a exclusividade de sua marca ou produto, determine por que você é melhor do que outros no mercado. Talvez você use materiais orgânicos de origem local. Ou talvez seus produtos sejam mais duráveis. Você pode argumentar qualquer coisa, mas lembre-se que deve ser algo que seu público-alvo valorizará.

Identificação e Conexão

Segundo Rafael Albertoni, fundador da Sociedade Brasileira de Copywriting (SBCopy), para que o leitor desenvolva conexão e identificação com uma marca é preciso apelar para a emoção. “Se as pessoas se conectam com a marca, elas compram; o ser humano age por emoção e justifica com lógica” explicou.

Mas como isso pode ser feito? contando histórias e características que o interlocutor tenha em comum com o leitor, já que pessoas gostam de conversar com seus semelhantes.

Utilize metáforas e exemplos

Se algum conteúdo parecer mais complexo, contextualizar com metáforas e exemplos faz com que o leitor se conecte na situação e a compreenda mais facilmente. 

Quanto mais próximo da realidade prática da pessoa, mais se identificará, tornando seus argumentos mais convincentes e persuasivos. As metáforas também são efetivas para aplicação de gatilhos mentais. 

Evite as comparações diretas com a concorrência, principalmente se o seu discurso diminui os produtos ou serviços das outras empresas. Além de não ser uma conduta ética, esse tipo de atitude desperta desconfiança.

Voz ativa ajuda no convencimento

Compare estas duas frases:

  • Algumas interessantes técnicas de copywriting são passadas nesse texto.
  • Esse texto passa interessantes técnicas de copywriting para você aprender e colocar em prática. 

Qual das duas foi mais fácil de entender? Frases na voz ativa são mais persuasivas e menos complexas. 

Antecipando-se às objeções

Um dos principais objetivos do Copywriting é quebrar objeções, isto é, aquelas dúvidas que as pessoas tem a respeito da sua empresa ou produto.

Essas objeções devem ser identificadas de forma antecipada durante a pesquisa e a criação de personas, mas podem ser aprimoradas e atualizadas de acordo com o comportamento da sua audiência e, também, dos seus concorrentes.

Assim como um bom vendedor, o copywriter precisa estar pronto para lidar com qualquer questionamento do leitor. 

Conte boas histórias

Uma das estratégias mais utilizadas para atrair a atenção e engajar a audiência é contando histórias convincentes. Estamos falando de Storytelling e seu principal objetivo, que é criar uma forte conexão com o seu público.

As histórias são uma das premissas da comunicação. Por serem mais profundas e sensíveis, podem evocar emoções e memórias, além demonstrar empatia fazendo com que as pessoas vivenciem a informação recebida.

Atenção para não exagerar! Afinal, uma história persuasiva não requer os detalhes e nuances de uma obra literária. Na verdade, o Storytelling é apenas uma ferramenta para enriquecer a sua conversa com o leitor e tornar a interação mais humana, já que não há nada mais humano do que contar histórias. 

Escreva como você fala!

Se você escrever de maneira parecida com a que fala o texto fica bem mais natural, permite sua aproximação do leitor, ajuda a contar histórias e ainda facilita a leitura.

Quando for criar algum copy pense na pessoa que você quer atingir com seu texto. Escreva como se estivesse em uma conversa real, utilizando argumentos e sua criatividade para convencer a acreditar no que está dizendo. 

Importante destacar é que, pela naturalidade, não parece que você está prestes a anunciar uma venda, mas sim que está recomendando algo como se fosse um amigo ou conhecido.  

E essa é uma abordagem bem mais efetiva. 

Ilustração: Copywriting

Conclusão

Para fechar esse artigo (que também pode ser considerado um copy), tenha em mente que copywriting não é manipulação. Precisa ser autêntico e com propósito. É o que conecta o público à mensagem da marca e o motiva a realizar uma compra.

Um copywriter jamais deve apresentar informações ou promessas falsas e utilizar artifícios que deixem o consumidor desarmado, ou seja, tirar o seu poder de escolha ou o direito de reclamar.

Os conteúdos sobre copywriting devem abordar técnicas de persuasão, gatilhos mentais e outras ferramentas de comunicação, e claro: o propósito de um bom copy é ter uma conversa franca com o público.

Gostou? Comente abaixo. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.