O principal objetivo de quem tem um negócio é vender seus produtos e serviços, certo? Mas depois que você já está vendendo, a preocupação deve ser em melhorar e otimizar os resultados. 

Uma das maneiras é aplicando o chamado teste A/B, que é exatamente uma das vantagens do marketing digital. Com ele podemos entender o que funciona, para repetir no futuro, e o que não funciona, buscando encontrar pontos de melhoria. 

Como o próprio nome já entrega, teste A/B nada mais é do que fazer dois testes mudando apenas uma variável, e no fim avaliar o que gerou melhores resultados.

É o processo de comparar duas versões de uma página de destino, email, campanha de anúncios no Facebook ou outros ativos de marketing com apenas um elemento diferente. 

Por exemplo, se você estiver testando A/B em um botão de call to action (CTA), precisa criar duas versões da mesma página de destino, mas apenas a call to action será alterada.

Esse tipo de teste pode ser valioso para uma empresa porque não custa nada (apenas o planejamento e aplicação da estratégia) e economiza dinheiro. 

Confira em que casos o teste A/B pode ser eficiente:

Trazer maior tráfego ao site: o teste de diferentes postagens de blog ou títulos de páginas da web pode alterar o número de pessoas que clicam no título com hiperlink para acessar o site. Isso pode aumentar o tráfego das páginas, como resultado.

Alcançar melhor taxa de conversão: testar diferentes locais, cores ou até mesmo o texto âncora nos seus CTAs pode alterar o número de pessoas que clicam nesses botões para acessar uma página de destino. Isso pode aumentar o número de pessoas que preenchem formulários no seu site, enviam as informações de contato para você e acabam convertendo, virando leads.

Ter uma menor taxa de rejeição: se os visitantes do seu site saírem (ou “rejeitarem”) rapidamente as páginas depois de visitarem o site, o teste de diferentes conteúdos, fontes, imagens, gráficos ou animações poderá reduzir essa taxa de rejeição e reter mais visitantes. 

Abandono de carrinho: as empresas que trabalham com ecommerce perdem cerca de 40% a 75% dos visitantes, que deixam o site com itens no carrinho de compras, de acordo com estudos. 

Isso é conhecido como “abandono de carrinho de compras”. Testar diferentes fotos de produtos, designs de páginas de check-out e até onde os custos de envio são exibidos pode reduzir essa taxa de abandono.

Benefícios do teste A/B

Melhor envolvimento do usuário

Os elementos de uma página, aplicativo, anúncio ou email que podem ser testados em A/B incluem o título ou a linha de assunto, imagens, formulários de call to action (CTA) e idioma, layout, fontes e cores, entre outros. 

Testar uma alteração de cada vez mostrará qual afetou o comportamento dos usuários e quais não. A atualização da experiência com as alterações “vencedoras” pode melhorar a experiência do usuário agregada, otimizando-a para o sucesso.

Valores de conversão mais altos

Os aprendizados do teste A/B aplicados com sucesso a uma experiência podem ser utilizados em experiências adicionais, incluindo páginas de produtos e serviços com preços mais altos. Um melhor envolvimento nessas páginas demonstrará elevações semelhantes nas conversões.

Aqui na NVX usamos o teste para entender quais assuntos de emails enviados nas campanhas de clientes, tiveram as melhores taxas de abertura. Ou qual modelo de landing page gerou mais conversões na atração de novos leads. 

Facilidade de análise

A determinação de um vencedor e um perdedor de um teste A/B é direta: quais métricas de página ou aplicativo se aproximam de seus objetivos (tempo gasto, conversões etc). 

Não faz muito tempo, as métricas de teste A/B eram apenas números brutos (dados) e você teria que interpretá-las manualmente para tomar uma decisão. Agora, muitas ferramentas de marketing disponíveis no mercado, já oferecem diversos tipos de testes (o de assunto de email é o mais comum) e tomam as decisões para você com mecanismos de estatísticas seguindo as práticas recomendadas. 

E, embora os serviços de teste tenham evoluído para incluir análise estatística para usuários de todos os níveis de conhecimento em planilhas ou dashboards, os números para uma comparação de duas experiências são surpreendentes em sua complexidade. 

Tudo pode ser testado

Formulários, imagens e texto são itens tradicionais para teste e atualização A/B, mas qualquer elemento de uma página ou aplicativo pode ser ajustado e testado. O estilo do título, as cores dos botões da CTA, o tamanho do formulário por exemplo, podem afetar o envolvimento do usuário e as taxas de conversão de maneiras que talvez nunca sejam conhecidas se não forem testadas. 

Nenhuma idéia pode ser rejeitada quando se pensa em otimizar resultados; testes e métricas, não emoções, provam o que funciona e o que não funciona.

Os riscos são reduzidos

Com os testes A/B, é possível evitar compromissos com mudanças dispendiosas e demoradas que são comprovadamente ineficazes. As principais decisões podem ser bem informadas, evitando erros que, de outra forma, poderiam vincular recursos para ganho mínimo ou negativo.

A maneira mais comum para realizar o teste A/B é usá-lo para descartar algo. Se você perceber que fazer uma alteração pode diminuir as conversões, não avance.

Aumento de vendas

Todo e qualquer um dos benefícios de teste A/B mencionados acima servem para aumentar o volume de vendas. As mudanças otimizadas produzidas pelos testes, oferecem melhores experiências ao usuário que, por sua vez, geram confiança na marca, criando clientes fiéis e, portanto, aumentando ou mantendo as metas de vendas.

Imagem ilustrativa: Teste A/B

O que testar:

Antes de começar a fazer o teste A/B siga a dica: não se recomenda testar mais de um elemento por vez, já que em algumas situações pode ficar impossível saber qual mudança foi a responsável pelos resultados.

De uma forma geral, os itens que mais costumam alterar os resultados de conversão de uma página ou site são:

  • Headline – o título que fica em destaque na página
  • Call-to-Action (botões para conversão)
  • Imagens ou vídeos
  • Descrição de alguma oferta
  • Tamanho e campos do formulário
  • Indicadores de confiabilidade (testemunhos, certificados etc.)
Entenda que os testes não se limitam a isso: é possível alterar ainda a posição dos elementos, cores ou mesmo aspectos da própria oferta (15 ou 30 dias de teste gratuito, por exemplo). No entanto, se você focar nos itens que apresentamos anteriormente já são bons pontos de partida.

Evitando erros comuns

Se você chegou até aqui na leitura do post, já sabe que realizar testes é um dos conselhos mais valiosos dos especialistas de marketing, que não pode ser ignorado. Mas, é preciso tomar cuidado com alguns detalhes.

O principal deles é a necessidade de um bom volume de acessos (quantidade) para poder validar o teste. Se você ainda tem uma bases pequena de leads para fazer teste A/B por email, ou as visitas no seu site estão muito baixas, não faz sentido. 

Embora tenham estudos de caso que mostram melhoras em conversões como se fossem algo simples, é difícil encontrar variáveis que realmente vão fazer a diferença nos números.

Uma situação que acontece com frequência: experimentos que fracassam, onde a diferença entre uma conversão e outra não é relevante, devem ser relatadas. 

Como saber quando parar de testar?

Uma pergunta que você pode estar se fazendo agora é “qual a frequência com que esses testes devem ser feitos”? A resposta é: faça quantas vezes for preciso para poder conhecer o seu público e garantir cada vez mais conversões.

O teste é importante para as empresas, principalmente porque o usuário não sabe que está fazendo parte de um experimento, então tudo acontecerá normalmente. 

A quantidade de testes varia de acordo com as necessidades do seu negócio, bem como entender o momento de parar de testar. 

Vale destacar que tudo é relativo. Quando falamos de chamadas para um post de blog, por exemplo, o teste A/B pode durar mais tempo, uma vez que essa oferta não tem prazo de validade.

O mesmo é indicado para email marketing: caso seja o teste A/B de assunto, por exemplo, é fundamental ter paciência e começar a mensurar depois de um período de pelo menos, sete dias, dando tempo suficiente para a base entrar em contato com o email recebido. 

Mas o cenário pode mudar quando focamos em lojas online. No ecommerce é preciso ter cuidado, pois testes muito longos significam também ciclos muito longos, e em grande parte das vezes o erro na hora da conversão está aí. Fique atento!

Google Optimize 

Existem muitas ferramentas (softwares) no mercado para fazer testes A/B. A maioria são pagas e dependem da assinatura de um plano mensal ou anual. Por isso resolvi sugerir uma que é grátis e pertence ao Google.

O Google Optimize assumiu as funções de teste que haviam antes dentro do Google Analytics. 

Oferece testes A/B e A/Bn você pode testar várias versões da mesma página da Web para saber qual opção tem mais sucesso com seus usuários. Testes multivariáveis, de redirecionamento, experimentos no servidor e personalização, entre outros. 

Conclusão

Aproveite as dicas e comece a testar hoje mesmo as suas ações na web, para manter ou aumentar vendas e forma inteligente, usando dados e métricas com eficiência. 

O teste A/B não é complicado, mas você precisa ter uma estratégia de marketing e uma meta antes de começar. 

Se você ainda tem dúvidas sobre o assunto, deixe um comentário abaixo ou fale comigo para aplicarmos a estratégia de forma profissional no seu site. Continue acompanhando nosso blog, estamos sempre publicando dicas para promover o seu negócio na internet. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.